Contactos da Igreja Católica em Portugal  
 
ANUÁRIO CATÓLICO  
Dioceses
Listagens
Notas Históricas
Nunciatura Apostólica
Bispos
Cúrias Diocesanas
-
Chancelaria/secretaria geral
-
Gestão de recursos pessoais, patrimoniais e financeiros
Conselhos Presbiterais
Colégio de Consultores
Cabido
Conselho Pastoral
Colégio de Arciprestes
Secretariado / serviço / departamento
Comissões
Tribunais Eclesiásticos
Seminários
Diaconado Permanente (formação)
Formação de Agente de Pastoral
Vigararias/Arciprestados
Paróquias
Oragos
Centros de Vida Cristã
Presbíteros
Diáconos Permanentes
Associações e Obras para Presbíteros
Prelaturas Pessoais
Institutos Religiosos Femininos
Institutos Religiosos Masculinos
Institutos Seculares
Associações, Movimentos e Obras
Centros de animação espiritual
Obras de Acção Sócio-caritativa
Escolas Católicas
Instituições Culturais
Comunicações Sociais
Estatísticas
Aniversários do dia
Natalícios e Ordenação
   
Indiquem-nos, por email secretaria.cep@ecclesia.pt, as incorrecções encontradas.


Nome:
Nota Histórica de Viseu
Sufragânea:
BRAGA
Nota histórica:
Viseu, como Diocese, é uma das mais antigas, a remontar pelo menos ao Concílio de Braga de 572, data da primeira alusão documental a um Bispo desta Diocese, Remissol Episcopus Viseensis, que assim assina a ata respetiva. É permitido supor que o bispado já existia quando do primeiro Concílio em 561. A Diocese dilatava-se então «em larga área até próximo de Cidade Rodrigo, incluindo, entre o Águeda e o Côa, a notável paróquia de Calióbrica ou Calióbria (...)» (Cf. A. LUCENA E VALE, em Viseu Antigo, Apostilas e retificações históricas, 1976, 5-11). Depois das vicissitudes da ocupação muçulmana e da reconquista cristã, D. Afonso Henriques deu-lhe, em 1144, Bispo próprio na pessoa de D. Osório, o último dos priores que em nome do Bispo de Coimbra, a governaram desde 1101. Nos fins do Séc. XII era uma das sete Dioceses existentes nos territórios do Reino. Inicialmente sufragânea de Mérida, passou a depender, em 1119, da Metrópole Bracarense, por sentença de Inocêncio III que dirimiu a longa questão entre Braga e Compostela.