Contactos da Igreja Católica em Portugal  
 
ANUÁRIO CATÓLICO  
Dioceses
Listagens
Notas Históricas
Nunciatura Apostólica
Bispos
Cúrias Diocesanas
-
Chancelaria/secretaria geral
-
Gestão de recursos pessoais, patrimoniais e financeiros
Conselhos Presbiterais
Colégio de Consultores
Cabido
Conselho Pastoral
Colégio de Arciprestes
Secretariado / serviço / departamento
Comissões
Tribunais Eclesiásticos
Seminários
Diaconado Permanente (formação)
Formação de Agente de Pastoral
Vigararias/Arciprestados
Paróquias
Oragos
Centros de Vida Cristã
Presbíteros
Diáconos Permanentes
Associações e Obras para Presbíteros
Prelaturas Pessoais
Institutos Religiosos Femininos
Institutos Religiosos Masculinos
Institutos Seculares
Associações, Movimentos e Obras
Centros de animação espiritual
Obras de Acção Sócio-caritativa
Escolas Católicas
Instituições Culturais
Comunicações Sociais
Estatísticas
Aniversários do dia
Natalícios e Ordenação
   
Indiquem-nos, por email secretaria.cep@ecclesia.pt, as incorrecções encontradas.


Nome:
Nota Histórica de Beja
Sufragânea:
de Évora
Nota histórica:

Beja (então Pax Julia) tem Cátedra Episcopal desde o ano 531, sendo seu primeiro bispo histórico Santo Apríngio, a quem Santo Isidoro de Sevilha chamou vir disertus lingua et sciencia eruditus. Começa com ele o período visigótico desta Igreja da Lusitânia. Apríngio teve como sucessor Palmácio, que assistiu ao terceiro Concílio de Toledo (589), onde se converteu ao catolicismo o rei godo Recaredo. Depois deste prelado, vieram: Modário, Adeodato, Teodoreto, João e Isidoro (pacenses). Com este último prelado, em 754, desaparece a Cátedra Pacense, para, só em 1770, ser restaurada por Clemente XIV, sendo o primeiro bispo da Diocese restaurada por D. Frei Manuel do Cenáculo, homem de vasta erudição. Em 1884 é criado o primeiro Seminário de Beja com D. António Xavier de Sousa Monteiro, músico distinto e o último dos nossos grandes canonistas citados no estrangeiro. Em 1910, com o advento da República, o bispo de Beja D. Sebastião Leite de Vasconcelos tem de exilar-se em Roma e a Cátedra só é preenchida em 1920, com D. José do Patrocínio Dias, nomeado pelo Papa Bento XV. Foi o bispo reconstrutor. Dando prioridade à formação do clero, inaugurou em 1925 o Seminário em Serpa, que em 1940 foi transferido para um edifício construído de raiz na cidade episcopal. Promoveu missões populares e desenvolveu intensa ação apostólica e socio-caritativa. Faleceu em 1965. Sucedeu-lhe D. Manuel dos Santos Rocha, que esteve à frente da Diocese até à resignação aceite pelo Santo Padre em 8 de setembro de 1980. No mesmo dia, seu coadjutor com direito de sucessão, D. Manuel Franco Falcão, assumiu a plena responsabilidade pastoral da Igreja Pacense. Em 1999, no dia 25 de janeiro, a Igreja Diocesana recebe a notícia da nomeação do novo bispo de Beja, na pessoa de D. António Vitalino Fernandes Dantas, o qual tomou posse da Diocese no dia 11 de abril do mesmo ano. Com cerca de 12.300 Km2, é a segunda diocese mais extensa de Portugal, correspondendo aproximadamente ao Baixo Alentejo e Alentejo Litoral. A sua população, de 226.000 habitantes (1991), encontra-se disseminada pelos 14 concelhos do distrito de Beja e os de Grândola, Santiago do Cacém e Sines do distrito de Setúbal. Embora a maioria seja batizada e se declare católica, a prática religiosa é muito reduzida (apenas 12.522 pessoas, ou seja 6,2%, no recenseamento da prática dominical de 1991).